11/07/2011

O Quê do Quê?



…ias a passar, como quem caminha pedras incandescentes, sobre os contornos do mundo, um foi se numa mão, na outra o devir, as orelhas tapadas auricularmente escutam de novo e mais uma vez a tua preferida, dolorosa e profunda canção.



…dois olhos oblíquos observam te, amarelam planos e ajudas, nas negritudes do ouro negro. Outro, Um outro, melhor dizendo, saiu mas voltou, na boca, o “meu irmão” e “se Deus quiser”, nos bolsos telenovelas.


…uns outros voltam, não por amor à terra, mas porque “lá” as coisas estão más.


…o velho Soba, sentado na kubata ancestral desfia nos rugosos dedos promessas de liberdade, milho seco na lavra da sobrevivência, no voto vai de motorizada, os pensamentos destelhados, corres para fugir dos sentimentos que te assombram.


…chovem cinzas do céu que cobre o capim…

Sem comentários: