17/07/2009

POETAS





“Jay Forrester demonstrou matemáticamente, com os seus modelos computorizados de cidades,
em que torna claro que qualquer coisa que nos propomos fazer, com base no senso comum,
inevitavelmente tornará as coisas piores, e não melhores.”

Temos de confiar nos nossos cientistas para nos ajudarem a descobrir o caminho mais curto, mas
para o percurso mais longo do futuro dependemos dos poetas.

Um poeta é afinal, uma espécie de cientista, mas empenhado numa ciência qualitativa em que
nada é mensurável.

Nos seus versos, ele pode juntar meticulosamente peças do universo, em configurações
geométricas tão belas e equilibradas como cristais.
Os músicos e os pintores escutam e copiam o que ouvem.

Sem comentários: