22/09/2007

DOUTA INTOLERÂNCIA



Tem que ser…
Porque sim…
Paredes intolerantes
vaziamente lisas,
Douto , julgo-me assim dizendo.
Espalha-se o chão em mim
escavando avessos falsos,
confuso do ferrão letal
abrevio pareceres.
O Dogma
dilacera-me as cúpulas pensantes,
cogitante consistentemente
dilaceradas.
Reflicto-me, Insecto, em
redoma de vidro fechada
sem saída.
Movimento-me,
reflexivo gesto
tiro a redoma,
parto-la.

Livro-me.




1 comentário:

Maria Muadié disse...

Kim, feliz é você que livra-se.
Me fez feliz com seu comentário nos Versos de Falópio,me anima o seu apoio.
Delivrevontade,
kandandu,
Martha