12/01/2007

VOCÁBULOS

ANGOLA

Os povos Bantu ( Áfrika Central ) ,500 anos da era actual, iniciaram migrações que vieram a originar ( Sec.XIII ) os Kikongos , Ngangela , Jagas , Nhanecas , Hereros , Ovambos , Kyokos, Cuangares (sec. XIX) todos fixados na área de Angola.
Cerca de do ano 1484 começa a ocupação pelo povo Português.
O reino de Angola nasce ( 1559 ) da fusão Reino do Congo , Reino Ndongo e Reino Matamba.
As fronteiras de Angola estão definidas desde os finais do sec. XIX.
E porque é através da língua , do falar , ouvir, que nos educamos, enfim é na comunicação que começa e acaba quase tudo. A Linguagem é assim sem dúvida alguma a alavanca de todos os perdões , porta para o entendimento sereno e portadora de luz.


Ilustração da rainha Nzinga em negociações de Paz com o governador português em Luanda em 1657.

KIMBUNDU / PORTUGUÊS



VOCÁBULOS



ADUELAS –tábuas arqueadas que formam o corpo de certas vasilhas (toneis pipas).
ACACHADO – tapado ,coberto
Á-COTA – mais-velha ( a primeira mulher dum polígamo)
AIBENCA – avenca
AMBANQUIZAR – tornar gongórico, retórico ( que é o estilo de fala e escrita de ambaquistas). Ambaquista - natural da região de Ambaca, cujos naturais são conhecidos pela sua arte oratória e mania requerimentista; iron – aquele que reclama por tudo.
AMULUMBADO – corcunda, curvado
ANANDENGUE – crianças
AQUIUAIADO – aputado; com ar ou maneira de puta
ARREGANHAR- ameaçar
ASSAMBIZANGADO – ao modo dos de Sambinzanga
ASSIMILADO- em 1954 o Estatuto dos povos coloniais das possessões portuguesas estabeleceu que mediante certas condições era possível aos “ indígenas” adquirirem a cidadania, passando à situação de assimilados. Entre essas condições incluíam-se o “ falar correctamente a língua portuguesa”, dispor de rendimentos de trabalho ou bens próprios considerados suficientes e “ter bom comportamento e ter adquirido a educação e os costumes necessários à aplicação integral do direito público e privado dos cidadãos portugueses” (sic)
B
BAGRE- peixe do rio, que vive no lodo
BAILUNDO – Indivíduo do povo Bailundo ( subgrupo do grupo etno-linguístico Mbundo ou Ovimbundo, localizado a meio da metade ocidental de Angola
BALAIO – cesta
BANGA – ademanes de vaidade
BANZO – espantado
BARROS – areias, terras
BASSULA – golpe de luta de pescadores em que se derruba o adversário com um jeito de corpo
BÊ-Ò – abreviação de Bairro Operário ( Luanda
BERRENTA – a que dá berros
BERRIDA – corrida, fazer fugir
BESSANGANAS – mulheres luandenses, normalmente de idade, que mantiveram o uso de panos, vestuário tradicional. BESSANGANA é “beça ngana!” (“ a sua bênção, senhora!”) porque assim eram saudadas, à moda antiga
BIENO – do Bié
BILHA – berlinde
BINDA - pequena cabaça
BISSAPA – arbusto
BITACAIA – pulga que penetra nos dedos
BOMBÓ –mandioca que ,descascada ou não, conforme a região, fica de maceração uns quatro dias, podendo ser seca ao sol ou não, também conforme a região. Come-se assada , acompanhando qualquer alimento. De “Kubombeka” .- pôr de molho
BRINCOS_DE_MULATA – flores de arbusto de jardim, comum em Luanda
BRUGAU – corruptela de burgau
BUFIO – bufo , sopro , ar
BUNGULAR – saracotear-se. Aportuguesamento de “kubungula”
C
CABEBELE_TAXI – jogo de pedrinhas comum em Luanda e arredores
CABEÇA_DE_PUNGO –peixe bastante abundante nas águas de Mocâmedes ; por extensão , os naturais de Mocâmedes
CABETULA – dança de carnaval, tradicional
CABIRI – diz-se dos cães rafeiros, vira-latas, Kabiri ou Kabidi
CABOBO – aquele que não tem dentes
CABRITA, CABRITO –diz-se dos filhos de mulato/a e branca/o
CACIMBA – lagoa formada pela chuva, grande buraco escavado para conservar água; poço cisterna
CACIMBADO – cheio de cacimbo, enevoado (forma popular) maluco
CACIMBO – estação de frio, Inverno tropical: relento; orvalho
CACUSO – natural de Kakusu ( Malange)
CACUSSO – peixe de que existem duas variedades : uma de rio, outra do mar.
De kukusula – ser encarnado. Alusão `coloração.
CADAQUAL – cada um
CADAVEZ – talvez
CAFOFO – cego , invisual ; diminutivo de quifofo, ceguinho
CAFREALIZADO – africanizado ( depreciativo)
CAFUCA – insecto que , na areia solta, se esconde fazendo um vórtice onde caem outros que devora depois
CAFUCAMBOLAR – cambalhotar
CAFUSO - filho/a de negro/a e mestiça/o, que escurece
CAHOMBO – jindungo grande. O jindungo pode ser de cahombo e de calequeta. O primeiro é arredondado, com um cheiro a cabra, de onde vem o nome (“kahombo” = cabrito). Dado o seu cheiro característico , o jindungo-de-cahombo reluta muita gente. Contudo é bastante saboroso
CALEMA – ondulação marítima bastante agitada
CALEQUETA – jindungo comum, normal.. Este, oblongo, é bastante picante, razão do seu epíteto, por alusão à circunstância de, com o ardor, se deitar a língua de fora – acto que, quando visando a prova de alimento , se denomina, em kimbundu, “kuleketa”
CALUANDA – natural de Luanda
CALUANDANO – de luanda
CALUNDU - do kimbundu “ kalundu, kilundu/ilundu – espírito. Mesmo sentido
CAMABUÌNHI – o que não tem dentes ; o que tem falhas de dentes
CAMAUINDO – o que tem o pé cheio de pulgas ou buracos, feridas provocadas por pulgas (bitacaias)
CAMBOTERMOS – desavergonhado, sem vergonha
CAMBULAR – atrair , adular , lisonjear , chamar , arregimentar , aliciar. Do kimbundu “ kukambula” – apanhar uma coisa em movimento
CAMBUTA – baixo , pequeno. Do kimbundu “kambuta”
CAMBUNTITA – diminutivo de cambuta
CAMUNDONGO – nome dado aos naturais de Luanda, especialmente pelos habitantes do sul e que envolve um certo sentido pejorativo. Natural da região abrangida pelo antigo reino do Dongo, que ia de Kalandula a Luanda. Deturpação do Umbundo “oka” (depreciação) + “um” ( naturalidade) + Ndongo ( o dito território)
CAMUELO – invejoso, açambarcador, o que não gosta de dar , o que não é generoso. Do kimbundu “ muelu” – soleira da porta ; por extensão, alusivo à estreiteza
CANDENGUE – “ndengue” é o mais novo, jovem , criança
CANDINGOLO – bebida fermentada a partir do milho
CANGUNDO – branco de baixa condição, ordinário
CAPANGA – o golpe de luta e ,simultaneamemte , o arco descrito pelo braço dobrado que passa à volta do pescoço. Tb. Nuca , pescoço
CAPARANDANDA – muito antigo, antepassado
CAPIANGO – roubo , deliquência , furto
CAPIANGUISTA – gatuno ; aquele que vive do capiango
CAPIM – designação genérica de numerosas plantas, em geral forraginosas. Revestem frequentemente grandes superficíes nas regiões tropicais, formando pastagens naturais. Ervas que atingem grandes alturas certas épocas do ano , a seguir às chuvas
CAPUTO – “ puto” é português, o governo português, portanto branco português
CAP’VERDE – pronuncia luandense de Cabo Verde; cabo-verdiano.
CAQUINDA – cesta pequena
CARIBALA – careca , calvo. Do kimbundu “karibala”
CARIENGUE .- de aluguer, assalariado. Do kimbundu “kadiengue.
CASCABULHO – a palha que resta do descascar do dendém
CASSANDA – em Luanda, branca de má educação, ordinária. ( Ao que parece, muito antigamente, este termo designava as brancas e mestiças que andavam vestidas de panos
CASSAFO – galinha ordinária; que tem as penas eriçadas; que não é de raça
CASSÊXI – corçazinha, pequeno antílope
CASSUMBULAR – tirar, por meio de jogo infantil, a cassumbula
CASSULA – último filho. Nome dado a esse indíviduo
CASSULE - o mesmo que cassula
CATETENSE – natural de Catete ( perto de Luanda)
CAUETO – aquele que usa vestuário muito apertado, à moda dos anos 1920/30 . De kuuhetuka – ficar muito justo
CAXINJIANGUELLE – esquilo ; pequeno roedor que mora nas palmeiras
CAZANGA – ilha do mar de Belas (Corimba)
CAZUCUTA – dança de carnaval com muito ritmo e pouca melodia
CAZUMBI – alma de antepassado , alma errante, espírito. Aportuguesamento do kimbundu “nzumbi” resultante de “kuzumbika” - importunar, perseguir
CÊ-EFE-BÊ – caminhos de ferro de Benguela
CÊ-EFE-ÉLE – caminhos de ferro de Luanda
CHICRONHA – natural do Lubango. Corruptela de colono
CHIPANZO – chimpanzé
CHITACA – pequena fazenda, geralmente hortícola
CHUVA-DE-CAJU – é um chuvisco real que pode durar um mês e que antecede as verdadeiras grandes chuvas (janeiro e fevereiro) e que volta a cair depois. Mas chega para fazer nascer folhas novas aos cajueiros, e flor! Daí chuva de caju
CIPAIO – soldado africano, encarregado de executar as ordens das autoridades admnistrativas
CINZIDA – cinzida de cinza
COCAIAR – espreitar . Do kimbundu “ kukaia” , mesmo sentido
COCHILAR – dormitar , cabecear
COMBAIRRO – do mesmo bairo
COMBAIRRO –trabalhador sujeito ao regime de contrato, a forma dominante de trabalho a que eram sujeitos os trabalhadores africanos durante o regime colonial e caracterizada pela arregimentação compulsiva feita pelas autoridades admnistrativas a favor de empresas privadas e pela exploração brutal
CUACAR – voz de pato em verso
CUATADO – corrido ,expulso. De “ku kuata” , expulsar , correr atrás
CUBAR – rogar pragas , geralmente batendo as mãos no chão ou alçando-as encostadas a par. Para maior eficácia , o esconjuro deve ser feito em lugar consagrado a ídolos, ou na igreja, ou no cemitério
CUBATA – palhota , choupana , residência modesta. “ kubata – em casa
D
DEMBADO – região , área sob a autoridade de um Dembo ( grande chefe tradicional)
DIÁ-KSÓDIO – qualidade de abóbora
DIÁ-KIMBUANGO – qualidade de abóbora
DIÁ-KIMBUATA – qualidade de abóbora
DIAMBA – erva que se fuma, cânhamo, marijuana
DIAMBEIRO – o que fuma diamba
DICANZA – instrumento musical, espécie de chocalho de bordão de um metro de comprimento. É transversalmente sulcada a todo o comprimento, sendo oca a parte central , pelo que se talha uma abertura na face posterior. Maneja-se pelo atrito de uma vara delgada
DINHANGULA – abóbora
DINHUNGO – espécie de abóbora que se usa nos cozinhados
DIUTA – o mesmo que riúta, cobra venenosa existente em aAngola
DIXITA – do kimbundu 2dixita” – monte de lixo lixeira
E
ENXALADEAR – tornar xalado, louco, doido. Tb xaladear
ESFÍNGIDO – esfíngico fingido, fingoindo esfinge
ESLOCHO – de “slosh” ( João Guimarães Rosa) – ruído de coisa lamacenta
F
FANGUISTA – ladrão , ratoneiro
FEFENHAR – chupar ossinhos/espinhas com ruídos de prazer
FERRÃO – espécie de andorinha
FIMBAR –mergulhar. Do kimbundu “fimbar”
FIOTE – grupo etno-linguístico da região de Cabinda
FITUCAR – ficar zangado, bravo
FORRA – livre ; liberto ; não escravo
FUAFAR - ferver , espumejar na fervura
FUAFO – espuma
FUAFUAR – espumar, fazer espuma
FUBA – farinha ( ordináriamente de milho, massambala, massango, mandioca e batata-doce
FUCUMBA – rola (pássaro)
FULO/A – filho/a de mulata/o e Negra/o
FUNGUISSADA – mistura , misturada. Do kimbundu “ ku fungisa” -misturar
FUNJE (FUNJI) – massa cozida de farinha, denominada fuba, geralmente de milho, massambala, massango, mandioca ou batata-doce. Acompanha várias iguarias. Pelo seu poder de saciedade, entra diáriamnte nas refeições das pessoas de recursos mais escassos
G
GAIAVA – goiaba
GAJAJA – fruto da gajajeira , muito ácido
GAMARTO – calão para português recém. Chegado a Angola
GANGA-ZUZENSE – natural de Nganga-ZUZE (Icolo e Bengo)
GANJÉSTERES – corruptela de ganguesteres
GAPSE – golpe de luta
GUNBATETE – abelha obreira ; insecto que faz ninho de barro.
H
HONGA – baixa cultivada com canteiros de horta
I
IÁ-NDENGE – mais-novo ; menor
ICOLIBÊNGUICO – relativo a Icolo e Bengo
ILUNDO- em kibumdu “ ilundo” é o plural de “kilundu” – espírito
IMBAMBAS – cargas , pacotes , embrulhos , coisas. . O mesmo que bicuatas, em linguagem de formação umbunda
INFUNDÓRIO – o mesmo que “funje”
IXIMBI – plural de “kiximbi” - espírito tutelar que habita as águas
J
JÁ-SAMBA – de samba, qualidade de jindungo
JIBUIA – barulho , confusão
JIFI – planta fibrosa que serve para fazer artesanato; fibras que servem de chicote
JIMBOA – erva que serve para alimentação
JINDUNGO – fruto do jindungueiro, malagueta pequena
JINGONDO – jingado, ouro falso
JINGUBA – fruto da jingubeira , amendoim
JINGUNA – insectos que saem após a chuva, formiga de asas
JINZÉU - - formiga preta que morde muito
JITOJITO – a ardência do jindungo
JONJAR – comer debicando, aos poucos . Do kimbundu “ kunjonja
JUJUTO – corruptela de “ jujutsu
JUNCO - rabo-de-junco, passarinho de cauda comprida
L
LAMBANÇA – barulho , confusão
LARAR – defecar, cagar
LEIO – alheio, que não pertence ao próprio
LOBITANGO - do Lobito
LOGO-É – até logo
LOGO-LOGO – imediatamente
LUANDANO – natural de Luanda
LUANDO – esteira de pairo que se enrola na longitudinal
M
MABOQUE – fruto do arbusto do mesmo nome, que se come simples ou temperado com açúcar
MABUBA – cachoeira , cascata
MABUÍNHI – gengiva sem dentes
MABUÍNHICO - de mabuínhi, o que não tem dentes
MABUNDA – trouxa , pacote , embrulho
MACA – confusão palavrosa, discussão acesa. Do kimbundu “maka” – conversa ,fala ,palavra ,dito
MACANHA – tabaco
MACULUSSENSE – natural do Maculusso, antigo bairro de Luanda
MACUNHATANO – quer dizer :quinze. Dizia-se das moedas equivalentes a 1$50
MACUTA – antiga moeda , com diferentes valores, que circulou em Angola até aos anos de 1940
MADÍA – pronúncia luandense de “Maria”
MAFUMA – mafumeira
MAFUMEIRA – árvore de folha caduca na época da floração, atingindo 30 mts. De altura e mais. Da penugem que reveste as suas sementes faz-se a sumaúma e o caule é aproveitado, por escavação, para o fabrico de canoas
MAIS-VELHO – ancião , patriarca, pessoa que pela sua idade é cheia de saber e experiência e credora de respeito
MALANGINO – natural de Malange. Tb malangense
MALEMBELEMBE . O mesmo que malembe-malembe – muito devagar, com cautela
MANDIOQUEIRO – planta cujo tubérculo é muito utilizada na cozinha tradicional quer ao natural ( cru , cozido , ou assado ) quer reduzido a farinha ( de mandioca
MANGONHA – preguiça , calaceirice
MANGONHEIRO – preguiçoso , indolente, lento
MANHENTO – que tem manhas, malicioso
MANO (A) – tratamento afectuoso que as gentes do povo se dão entre si
MAPUPO –uma espécie de abóbora semi-selvagem pouco utilizada na cozinha
MAQUEZO – cola (fruto africano)
MAQUILAGEM – disfarce cosmético, maquilhagem
MARIMBONDO – vespa
MARUFO – vinho de sumo de caju, ou de seiva de matebeira, palmeira ,palmito ou bordão. Tb Maruvo ou maluvo
MASCARIA – magicaria, práticas de magia
MASÓXI – lágrimas
MASSAMBALA – milho-miúdo, de grãos redondos; utiliza-se na fabricação da fuba
MASSANGANO – confluência
MASSEMBA – bailado Angolano , caracterizado por sembas ( umbigadas)
MASSUÍCAS – pedras que servem de trempe. Trempe regional
MATACANHA – puilga dos pés
MATACO – nádegas, traseiro , cu
MATETE – papas , massa de farinha cozida usada frequentemente na alimentação da gente pobre.
MATIAS – pássaro da região de Luanda
MATUENSE – aquele que é natural do mato, , no sentido , interior de Angola
MATUMBO – indivíduo boçal, de costumes grosseiros, selvagem, ignorante
MATUTO – ou que matuta, i.e. pensa
MAUINDO – pulga que penetra nos dedos e cria um pequeno saco onde põe os ovos
MAXIMBOMBO – autocarro, ónibus
MAZÔMBICO – mazombo ; apagado, sem genica, estúpido
MAZOMBO – estupido, tímido, parvo
‘MBORA – aimda
MENEQUENO –adeus, gesto de despedida, saudação
MERENGAR – dançar o merengue ( dança africana)
MILÉLICO – de “ milele” – panos que se usam como vestuário
MILONGO – remédio
MIONDONA – espíritos tutelares de cada pessoa
MISEKE – plural do kimbundu “ museke” – musseque
MOMA – jibóia, grande cobra
MONA - filho , criança, bebé
MONANDENGUE – criança , filhinho , garoto
MONANGAMBA – todo o que se dedica a trabalhos pesados, serviçal, carregador, estivador. Do kimbundu “ mon’a ndenge – filho de carregador
MUADIÊ (MUADIÉ) – senhor . Do kimbundu “ muadi” -amo , senhor , patraõ
MUAMBA – guisado de galinha ou de carne de vaca ou de peixe, adubado com água oleosa de dendém . Come-se com funge ou arroz –branco
MUANZA – árvore que dá sombra ao café ; mogno
MUBAFO – qualidade de árvore resinosa
MUBANGA – qualidade de árvore
MUBUBA - árvore
MUCAMA – escrava, reduzida a concubina pelo patrão
MUCEFO – qualidade de tamarindo mais ácido
MÚCUA – fruto do Imbondeiro
MUCUETO - - amigo do kimbundu “ mukuetu” = nosso amigo
MUENANTE – indivíduo meio boémio, meio vadio, Em Luanda é um tipo que entra nas festas e come sem pagar.
MUENEXI – o dono , o senhor da terra
MUFUMA – mafumeira
MUFUMEIRA – mafumeira
MUGENGE – gajajeira
MULEMBA – árvore de copa frondosa. Siómoro. Do kimbundu “ kulemba” – escurecer ( alusão à densidade da sombra
MUNGUBA – árvore de boa madeira
MUNGUELAS – árvores de boa madeira
MUQUIXI – dançarinos tradicionais, disfarçados
MURINGUE – bilha de barro para água
MUSSALO – peneira de palha, em forma de garrafão, com o fundo crivado . Do kimbundu “ kusala” – peneirar
MUSSEQUE .- bairo popular periférico, bairro-de-lata geralmente instalados em terrenos de areia. Do kimbundu “ um” –onde + “ seke” – areia

MUSSOLO – é um peixe de rio que vive nas lagoas e rios que no tempo seco fica metido no barro, daí o seu sabor característico
MUSSORONGO – um dos povos do grupo Kikongo
MUSSUEMBA – árvore
MUSTIÇADA – o mesmo que “ mestiçada”
MUTAMBA – tambarineiro
MUTETA – prato regional angolano. Almôndegas de pevides de abóbora
MUTOPA – cahachimbo
MUXACATO – obejecto que os feiticeiros e os quimbandeiros utilizam para a adivinhação. Compôe-se de um pedaço de aduela, de uns 20 cts de comprimento com uma concavidade longitudinal ao centro, onde, por atrito, se faz correr em toda a extensão um pauzinho denominado filho. Do kimbundu “kuxakata” – arrastar os pés. Alusão ao fricionamento
MUXILUANDA – designação do grupo étnico que habita as ilhas do Mussulo e de Luanda; distinguem-se dos da cidade, os chamados caluandas, que vivem nos musseques
MUXIMAR – lisonjear , gabar , falar ao coração
MUXITO – mato, floresta , matagal , selva
MUXOXAR – fazer um ruído de desprezo com os lábios, de um modo característico
MUXOXO – chio de boca manifestando desprezo, produzido por compressão do ar das bochechas. Do kimbundu “kuxoxo “ – escarnecer
MUZONGUÉ – caldo , sopa
MUZUNGE (MUTSUNDJI) – árvore madeirense
N
NGA – abreviatura de “ngana”
NGANA – senhora/senhor
NGOMA – tambor comprido, aproximadamente de um metro e meio, feito de cepo desmiolado de mafumeira, adelgaçado numa extremidade que fica aberta, e, na outra extremidade, vedado com pele tensa de veado ou corça
NITRIDOS – ruídos de bestas
NGUETA – branco ordinário. V. Guueta
O
OITIVA – de ouvido
P
PALAVRA-PODRE – palavrão, obscenidade
PANOS – vestimento tradicional das mulheres, consistindo de panos que envolvem o corpo, das axilas ao tornozelo
PARTIOSO – cheio de partes, de manias, de poses
PAU – árvore
PAU-A-PIQUE – método de construção em que o esqueleto é de pau e canas que se barreiam
PÉ-DE-QUEDES – pé calçado com sapatilhas de pano e borracha
PEIXE D’ONTEM - peixe frito que se deixa em molho de cebola e tomate durante dias a macerar
PIÁPIA – andorinha
PICA – colibri ( passarinho muito pequeno)
PIGARÇO – grisalho
PILÃO-E-MUSSALO – de ser feita no pilão e depois peneirada pelo mussalo, peneira tradicional
PÍRULA – pássaro angolano
PLIM-PLAU – pássaro de grande cauda
Q
QUEDE – sapato de pano e sola de
QUIABO – fruto do quiabeiro, muito usado na culinária Angolana
QUIANDA – sereia, divindade aquática
QUIASSA – diz-se , em kimbundu, de uma pessoa albina
QUIBABA – árvore de boa madeira
QUICONGUENSE - pertencente ao grupo etno-linguístico dos Kikongos, - Cabinda e Noroeste de Angola
QUIENZE – separação exagerada entre dois dentes
QUIÊNZICO – com “qienze”
QUIFUANE - árvore de boa madeira
QUIFUFUTILA – mimo muito apreciado, feito de jinguba, açúcar mascavado e farinha torrada tudo pilado e reduzido a pó fínissimo
QUILAMBA – o que sabe interpretar augúrios de quianda
QUILAPANGA – dança antiga , possívelmente de origem san-tomense
QUILEBA – alto , colocado alto. Do kimbundu “ku leba” – ser alto
QUILUMBA - moça , rapariga nova
QUIMBANDEIRO – curandeiro, adivinho-curandeiro
QUIMBANDESCO – vem de quimbanda. Criação
QUIMBIAMBIA – borboleta
QUIMBIÂNBICO – relativo ao esvoaçar da borboleta
QUIMBO - pequena povoação ; aldeia
QUIMBOMBO – bebida fermentada de milho mais forte que o quitoto
QUIMBUNDO – lingua nacional angolana, cuja área linguística se estende pelas províncias de Luanda , Bengo , Malanje e Kuanza-Norte. Tb pessoa deste grupo
QUINADO – vinho português assim chamado por conter, em mistura , quina
QUINDA – do kimbundu “kinda” – cesto. Mesmo sentido
QUIMDAMBIRENSE – natural de Kimdambidi
QUINDELE – chama-se assim à fuba muita branca, especialmente de milho
QUINDUCUTA – baixota e gorda
QUINDUCUTESCA – de quinducuta
QUIMDUMBA – cabeleira. Do kimbundu “ kimdumba – penteado , toucado
QUINJONGO – gafanhoto. Noutra acepção, designa o tecido de má qualidade
QUIPIAQ – tipóia
QUIPUPO –tarolo de milho
QUIQUERRA – mistura de farinha de mandioca, açúcar e jinguba
QUISSEMO – do kimbundu “ kisemu” – dito jocoso, crítico ou insultuoso
QUISSENDE – recusa, negativa, tampa. Do kimbundu “kisende – calcanhar
QUISSONDE – formigão avermelhado, de mordedura dolorosa
QUITANDA –mercado, feira , praça ,posto de venda.de géneros frescos , pequena loja ou banca de negócio
QUITANDEIRA/O - aquele/a que vende na quitanda
QUITANDE – guisado de puré de feijão , temperado com azeite de palma
QUITATA – prostituta
QUITEXENSE – natural do kitexi
QUITIBA – árvore das matas dos dembos
QUITOTO – bebida fermentada de milho, mais fraca que o quimbombo
QUITUTA – génio ; vive por toda a parte
QUITUTE - doce ; especiaria ; guloseima
QUIXIMBI - o mesmo que quianda
QUIZOMBA – dança animada,alegre movimentada
R
RABO-DE-JUNCO - pássaro de cauda comprida e plumagem acastanhada
RANGELISTA – do Rangel ( musseque de Luanda)
REVIENGA – movimento rápido de finta e engano
ROSQUEIRO - sodomita ; masturbador ( calão)
S
SÁ – abreviatura de senhor ( português popular de Luanda)
SACAFOLHAS – esparregado de verdura qualquer, quizaca
SAFÚ – fruto silvestre muito doce
SALALÉ – formiga branca , térmita
SANZALA – povoado , bairro indígena. Do kimbundu “kussanga” (tornar habitavel) + kukala
SAPE-SAPE – árvore da família das anonas ; o seu fruto
SAQUIDILHO – cumprimento , saudação
SENTE! – olha! ; escuta! ; ouve!
SERIPIPI – o mesmo que celeste – passarinho canoro muito comum em Angola
SEXA – cabra selvagem de pequeno porte , corça
SIRA – acácia-sira, uma das espécies desta árvore
SÔR – senhor. Tb só e sô
SOSSO – ensosso
SUINGUE – designação abreviada de suinguista
SUINGUISTA – era o dandy , o elegante popular da época em que se introduziu o “ swing” nos bailes
SUMBO – pássro parecido com o martim-pescador
SUNGADIBENGO – nome depreciativo dado aos mestiços na região de Luanda. Do kimbundu “ sunga o dibengu” – puxa o rato
SUNGAR – puxar
SUNGARIBENGO – o mesmo que sungadibengo
SUPIMPA – de bom gosto, que sabe bem
SUPIMPEZ – de supimpe , a qualidade
T
TACULA – árvore que atinge grande altura, de madeira vermelha ou esbranquiçada com veios vermelhos e muito usada em marcenaria
TAMARINDO – o mesmo que tambarino
TAMBARINEIRO – árvore frondosa que dá tambarinos
TAMBARINO – fruto do tambarineiro, bastante ácido
TIMÓTEO – nome próprio usado como adjectivo à toa . Neste caso refere-se a Timóteo Amadeu Amorim , grande batucador de ngomas, do “Ngola Ritmo”
TIPÓIA – palanquim de rede
TONGA – zona demarcada nas fazendas, para desbravar
TOPIA – galhofa, gracejo troça, mofa
TORTOLHOS – olhos tortos
TRIPETENTE – repetente mais uma vez
U
UABILUKAR – visão , transformar-se , metamorfosear-se
UATOBAR – do verbo kimbundu “ kutoba “ – fazer pouco caçoar
UATOBO – gritos , exclamações que se dão gritando : “uatobo!” (“ és parvo! “) e batendo com a mão aberta na boca
UATOUARINHA – muito doce, suave , terno . Do kimbundu “ ku touala “ –ser doce. Tb. Uatouadinha e iatouarinha
V
VAVÓ – avó no português de Luanda
VISGO – cola vegetal, resina de mulembeira
VUZAR – bater , agredir
X
XACATADA – arrastada ( “ku xacata” – arrastar os pés
XACATO – substantivo formado a partir do verbo “ xacatar” –arrastar os pés
XAXUALHO – rumorejo , sussurro
XAXUAXO –rumor ,sussurro
XIMBA – nome depreciativo e insultuoso que era atribuído aos cipaios
XIMBICAR – remar à vara, ordináriamente de bordão , espetando-o no fundo da água ( do rio ou mar)
XINGAR – proferir obscenidades, injuriar , ofender com palavras
XINGILADORA – que invoca os espíritos , medium
XINGO – insulto
XINGILAR – sofrer a incorporação de seres espirituais, cair em transe
XINGUILO – acto de entrada em transe
XUAXO –sussurro , arrulho , rumor
XUCULUCAR – revirar os olhos , como demonstração de rancor ou desprezo
Z
ZUARTE – ganga , espécie de tecido azul
ZUNA – muito depressa , com velocidade
ZUNIR – atirar , arremessar , andar com velocidade


ZUZUTO/A – parvo/a aparvalhada/o

Sem comentários: